NOTÍCIAS
27/02/2018 11:57 -03 | Atualizado 27/02/2018 14:07 -03

Expansão da Uber para o Norte e Nordeste pressiona deputados a facilitar a regulação

“Na última votação, os aplicativos não estavam em alguns estados e perdemos votos”, afirma o deputado Daniel Coelho, favorável a uma regulação menos rígida.

Paulo Whitaker / Reuters
Motoristas da Uber protestam contra restrições ao aplicativo em protesto em São Paulo, em outubro de 2017.

Enquanto o Congresso não define as regras para o uso de aplicativos de transportes, as empresas que atuam no setor se expandem pelo País. Desde 4 abril de 2017, quando a Câmara dos Deputados votou pela primeira vez a proposta que limita o funcionamento dos aplicativos, o número de unidades da Federação com a presença da Uber passou de 20 para 25.

É de olho nesse aumento no número de usuários que deputados favoráveis a regras mais flexíveis apostam em uma vitória. O tema volta a ser discutido pelos parlamentares nesta terça-feira (27).

"Na última votação, os aplicativos não estavam presentes em alguns estados, o que fez com que perdêssemos votos. Norte e Nordeste não tinham tanto, então a expectativa é que agora mudem os votos, afirmou ao HuffPost Brasil o deputado Daniel Coelho (PSDB-PE), defensor de uma regulação flexível e relator do substitutivo aprovado pela Câmara no ano passado.

De acordo com levantamento da Uber, nesse período, o aplicativo passou a atuar em 5 estados da região Norte. O serviço está disponível no Amazonas desde 12 de abril. No mês seguinte, passou a funcionar em Rondônia e desde junho está presente no Amapá, Roraima e Acre. São 20 mil motoristas na região, sendo 10 mil no Amazonas, de acordo com a empresa.

No Nordeste, o aplicativo é usado desde 2016, com exceção do Maranhão, onde começou a funcionar em fevereiro do ano passado. A Uber também está presente em todas unidades da Federação no Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Em todo o País, são mais de 500 mil motoristas e mais de 20 milhões de usuários em mais de 100 cidades.

Desde segunda-feira (25), a empresa começou uma campanha contra a aprovação da proposta em discussão na Câmara, chamada pela Uber de "Lei do Retrocesso".

O Cabify, por sua vez, defende o texto aprovado pelo Senado em outubro de 2017, mais flexível que a proposta inicial da Câmara. A empresa afirma ser "a favor de uma regulamentação justa" e sustenta que o texto original é proibitivo.

Controle dos aplicativos de transporte pelas prefeituras

O projeto que está na Câmara ainda pode sofrer alterações em plenário, mas é o que irá para sanção ou veto do presidente da República, Michel Temer. O principal ponto da discussão são os limites de poder das prefeituras sobre os aplicativos. O Senado deu ao município apenas a competência para fiscalizar o serviço, de modo que não poderá autorizar a atividade.

Responsável pela proposta original, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP) quer rever esse ponto. Para Daniel Coelho, contudo, a exigência de uma autorização prévia da prefeitura poderia interromper o serviço por anos.

"Defendo que seja permitida a prefeitura regulamentar, mas sem colocar a obrigação porque ela é proibitiva. Pode demorar 1, 2, 3 anos no município e interromper o serviço. No dia em que entrar em vigor, estaria todo mundo em posição de irregularidade", afirma o tucano.

O petista, por sua vez, afirma que a mudança não irá parar os aplicativos. "A prefeitura vai regulamentar, vai demorar 2, 3, 5 meses, mas vai funcionar naturalmente. Nenhum prefeito vai proibir. Esse argumento é para criar terror", justifica.

De acordo com Zarattini, a briga não atinge os motoristas, mas as empresas. "Querem continuar faturando o máximo que podem e colocar o maior número de motoristas nas ruas ganhando 25%de cada corrida", critica.

No dia seguinte à primeira votação na Câmara, em abril do ano passado, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu o veto a dispositivos que restrinjam o serviço. "Eu defendo que o presidente Michel vete os dois artigos que foram aprovados aqui", afirmou.

Adriano Machado / Reuters
Motoristas de aplicativos de transporte comemoram aprovação do projeto de lei no Senado em outubro de 2017.

Câmara e Senado brigam por regras sobre Uber

A votação do substitutivo de Coelho ao texto de Zarattini em abril de 2017 foi simbólica. Os deputados, contudo, aprovaram uma emenda que retirou a expressão "privado", logo após "transporte remunerado individual".

Ao retirar o termo privado, na interpretação de Coelho, a proposta passa a abrir espaço para exigir a autorização das prefeituras. Na época, a mudança foi festejada por taxistas que acompanharam a votação das galerias na Casa.

No Senado, além dessa mudança, o texto retirou a exigência de placa vermelha para os motoristas desses aplicativos. Esse ponto poderia permitir, por exemplo, o uso de corredores, como os taxistas. Outro alteração foi o fim da obrigação de que o motorista seja o dono do carro.

Para o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), é necessária uma regulamentação de todas prefeituras para evitar disputas tributárias. "A região metropolitana tem de regulamentar ou vai ter uma guerra fiscal e o motorista vai registrar no município do lado", alerta Rafael Calabria, pesquisador do instituto.

O especialista critica a falta de transparência na discussão no Congresso e defende que os municípios façam uma avaliação do impacto dos aplicativos no trânsito.

Galeria de Fotos Taxistas pedem proibição do Uber em SP Veja Fotos
Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost