NOTÍCIAS
11/06/2020 18:43 -03

Brasil pode se tornar país com mais mortes por covid-19 em 29 de julho

Método usado pela Casa Branca prevê que neste dia o País teria 137,5 mil óbitos e os Estados Unidos, 137 mil.

O Brasil poderá se tornar o país com mais mortes pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) em todo o mundo no próximo dia 29 de julho, caso não haja mudanças significativas nas medidas de controle da Covid-19, revela a projeção feita pelo instituto de métrica da Universidade de Washington.

O método matemático, utilizado pela Casa Branca para monitorar os dados sobre a pandemia, prevê que neste dia o país teria 137,5 mil óbitos e os Estados Unidos, 137 mil.

Caso a projeção se cumpra, o território brasileiro registraria recordes mundiais de total de falecimentos pela doença e de número de vítimas em um dia. Desta foram, seriam registradas 4.071 mil mortes, quase o dobro do recorde atual, que aconteceu nos EUA, no dia 14 de abril, com 2.262.

No entanto, para que essa quantidade seja alcançada, o número de mortes atual teria que quase quadruplicar nos próximos 50 dias. Se a taxa de mortes por 100 mil habitantes for considerada, o Brasil deve superar os EUA já no dia 10 de julho.

FLORIAN PLAUCHEUR via Getty Images
Método usado pela Casa Branca prevê que neste dia o País teria 137,5 mil óbitos e os Estados Unidos, 137 mil.

O avanço da pandemia com essa magnitude no Brasil foi registrado nos últimos 30 dias, passando de 10 mil óbitos em 9 de maio para 38 mil em 9 de junho.

As projeções feitas pelo instituto são baseadas em diversas variáveis que mudam ao longo do tempo, como o número de casos confirmados e o grau de distanciamento social adotado pelos países. Sendo assim, o quadro ainda pode mudar. A ideia é que as estimativas embasem a ação de autoridades na contenção do vírus.

Até o momento, o Brasil tem mais de 40 mil mortes pelo novo coronavírus, segundo levantamento feito pelo consórcio jornalístico junto às Secretarias de Saúde dos estados. 

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost