NOTÍCIAS
20/03/2020 19:54 -03

Ministério da Saúde declara estado de transmissão comunitária do novo coronavírus em todo o País

Pessoas com sintomas respiratórios e quem morar no mesmo endereço terão atestado para permanecer em isolamento por 14 dias.

O Ministério da Saúde declarou, nesta sexta-feira (20), estado de transmissão comunitária do novo coronavírus em todo o território nacional. Passa a ser obrigatório o isolamento domiciliar da pessoa com sintomas respiratórios e de quem residir no mesmo endereço, por, no máximo, 14 dias.

A medida de isolamento somente poderá ser determinada por prescrição médica nos postos de saúde. O texto considera pessoa com sintomas respiratórios a “apresentação de tosse seca, dor de garganta ou dificuldade respiratória, acompanhada ou não de febre, desde que seja confirmado por atestado médico”.

Cabe ao paciente informar os dados pessoais das outras pessoas com quem mora, “sujeitando-se à responsabilização civil e criminal pela omissão de fato ou prestação de informações falsas”, segundo portaria publicada no fim da tarde.

A prescrição médica de isolamento deverá ser acompanhada de um termo de consentimento livre e esclarecido e de um termo de declaração, contendo a relação das pessoas que residam ou trabalhem no mesmo endereço.

Ainda de acordo com a portaria, pessoas com mais de 60 anos de idade “devem observar o distanciamento social, restringindo seus deslocamentos para realização de atividades estritamente necessárias, evitando transporte de utilização coletiva, viagens e eventos esportivos, artísticos, culturais, científicos, comerciais e religiosos e outros com concentração próxima de pessoas”.

DOUGLAS MAGNO via Getty Images
A transmissão comunitária significa que não é mais possível saber a cadeia de transmissão do vírus.

Transmissão comunitária do novo coronavírus 

A transmissão comunitária significa que não é mais possível saber a cadeia de transmissão do vírus. Até quinta-feira (19), havia transmissão sustentada da doença em ao menos 6 estados: São Paulo, Pernambuco, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

O cenário de transmissão comunitária nesta sexta permanecia o mesmo no Brasil, de acordo com informação divulgada pela assessoria de imprensa do Ministério da Saúde, antes da publicação da portaria.

Mais cedo, o ministro da Saúde, Luis Henrique Mandetta afirmou que “a fronteira interestadual é uma mera formalidade”. “Está na hora de o brasileiro entender que estamos dentro do mesmo barco”, disse.

De acordo com o ministro, “se para que isso seja explicitado eu tenho que dizer que temos transmissão sustentada no País, para que eles entendam que não é regional. A regionalidade para nós é um mero desenho administrativo para que a gente possa conduzir esse país dentro de uma lógica agora de unidade nacional e não de uma lógica fragmentada que pode interromper cadeias de abastecimento que nos são muito preciosas”.

Mandetta tem criticado a pressão de governadores para limitar o transporte interestadual e pelo fechamento de fronteiras.

O número de casos confirmados no Brasil pelo novo coronavírus chegou a 904, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde nesta sexta. Há registros em 25 das 27 unidades da Federação. O número de mortes causadas pela covid-19 chegou a 11, sendo 9 em São Paulo e duas no Rio de Janeiro. O balanço inclui informações até as 16h. 

Na quinta-feira (19), eram 621 casos confirmados, o que representa um crescimento de 45,6% de um dia para o outro. O rito de infectados de é similar na comparação entre quarta e quinta-feira (45,1%). Esse indicador é determinante para monitorar a escalada da pandemia no Brasil.

A maioria dos casos se concentra na região Sudeste (61%), seguida por Nordeste (15%), Centro-Oeste (12,4%), Sul (9,9%) e Norte (1,5%). Até quinta, havia transmissão sustentada da doença em ao menos 6 estados: São Paulo, Pernambuco, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost